Contra a China: Brasil se une aos EUA na Organização Mundial do Comércio - JNnotícias

ADS

Ultimas

ADS

ADS

sábado, 1 de agosto de 2020

Contra a China: Brasil se une aos EUA na Organização Mundial do Comércio



 Brasil se une aos EUA na Organização Mundial do Comércio

A decisão do governo brasileiro de alinhar a política externa à dos Estados Unidos pode trazer novos prejuízos ao país 




 Mais uma vez o Brasil se aliou aos Estados Unidos para atingir a China na Organização Mundial do Comércio a mais recente Decisão foi a postura apresentada esta semana pelos governos de trump e bolsonaro de não reconhecer o país asiático como economia de mercado, o que já foi feito por metade dos integrantes da Mc.
 
 Os americanos mantém salvaguardas contra a concorrência chinesa em alguns setores, um professor de relações internacionais disse: o planalto dá um tiro no pé ao virar as costas para o maior parceiro comercial, uma coisa você tem simpatia por outro governo outra coisa é confundir os interesses do país os interesses Nacionais com os interesses de uma relação com os Estados Unidos, sobretudo com o governo específico é o governo Donald trump para o agronegócio uma briga comercial com isso traz prejuízos, só no mês passado os chineses compraram 70% da soja brasileira. 

 Só de janeiro a junho as exportações para o país asiático chegaram a 34 bilhões dólares, de grãos e minérios além de carnes para os Estados Unidos as vendas não passaram de 10 bilhões, o fausto pinho(frente parlam Brasil-China disse: Estados Unidos brigando com a principal parceiro comercial a submissão. 

 A submissão ao governo de Donald trump também pode prejudicar a Embraer a fabricante de aviões brasileira está prestes a perder uma venda bilionária o Irã é que o Brasil segue as sanções Americanas ao país do Golfo pérsico que já mostrou interesse na compra de 150 aviões comerciais, 150 aviões significa salvar Embraer pelos próximos 15 e 20 anos não vai precisar é ser negociada para China que o governo brasileiro teria dificuldade com a Rússia com a índia, são poucos os países no mundo que podem entrar no negócio como é o da Embraer, procurado o Itamaraty não quis se manifestar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADS