Covid-19: Tempos de Pandemia e Você! - JNnotícias

Publicidade

Ultimas

AdCash

adcash Confira

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Covid-19: Tempos de Pandemia e Você!



Tempos de Pandemia e Você

Uma visão global simplificada de forma individual sobre o momento em que vivemos




Em tempos de pandemia, olhamos em todas as direções e vemos as pessoas se virando como
podem enquanto os governantes disputam entre si quem é melhor, quem vai para prisão, quem
será o próximo eleito.
Vemos que a maior parte dos brasileiros está levando a vida como se nada tivesse acontecendo,
não sei até onde é bom, mas sei que deveria ser.

O aquecimento global, o poder nas mãos de quem pode provocar uma guerra nuclear e o
autoritarismo governamental estão aí presentes e são reflexos da sociedade. Chomsky,
observando o comportamento do mundo diante da pandemia, disse em uma entrevista que
“Não podemos deixar a Covid-19 nos levar ao autoritarismo”. É preciso refletir. A sociedade
pode fazer muito para mudar a situação atual começando de si mesmo.
Um exemplo disso é a vida que estamos levando nesse período. Outro dia mesmo eu tinha 11 anos. Sonhava em ser secretária executiva, mãe de um filho homem e uma mulher bem-
sucedida na vida independente de pais ou marido.

Hoje, aos 45 anos, estou aqui realizada pelos dois filhos homens que tenho, porém, há 21 anos
no magistério, nada de secretária executiva... Mas, independente.
O amadurecimento é gradativo, porém significativo. Não consegui alcançar o cargo de secretária
executiva, mas alcancei uma profissão que me completa como ser humano. Já fui professora de
cursinho (português, literatura e redação), já lecionei para ensino médio e fundamental II. Hoje,
me dedico ao fundamental I com amor.
Meus filhos e minha profissão são combustíveis para minha vida. Muitas pessoas não
conseguem, ao longo dos anos de suas vidas, alcançar a satisfação profissional. Meu salário não
é alto, mas tenho gratificação pelo que faço ao ver o resultado de minhas aulas no fim do ano
letivo. Este ano, infelizmente, não pudemos continuar as aulas. Tivemos, devido, à Pandemia,
que dar uma parada escolar. Isso me doeu. Muitos alunos estão ociosos sem aprenderem algo
de enriquecimento para suas vidas, além de sua convivência familiar, outros tentam aprender
pela internet, mas não é a mesma coisa. Sinto-me incapacitada por não poder fazer mais do que
faço. Tenho dado aulas online, mas poucos são os alunos interessados. É triste isso! É o retrato
do grau da importância do estudo na vida de muitos brasileiros. Os responsáveis até agradecem
pelo meu empenho, visto que aqui onde moro não é obrigatório aulas online, mas não é o
suficiente para alcançar meu objetivo.
Além das aulas online, tenho escrito vários textos, lido, apreciado a natureza e a boa companhia
de quem está ao meu lado. Entrei nesse TikTok, brinco com meus seguidores no Instagram,
brinco com meus animais de estimação (três gatos e duas cachorras), além de conversar
bastante com meus filhos (algo que era difícil anteriormente devido ao trabalho e ao estudo),
também procuro mandar alimento para quem precisa, aconselhar aqueles que estão deprimidos
(via internet) e me refugiar, por vezes, na roça para um contato maior com a natureza e seu
Criador.

Essa situação faz com que pessoas como eu, amadureçam, vendo o como é importante o
convívio, inclusive o escolar, o quanto somos imprescindíveis na vida do outro e o quanto o outro
é importante pra nós.
Pena que muitos estão passando por esta situação tão vazios quanto como entraram. Pena que
não se colocam no lugar do outro. Pena que não estão evoluindo, apresentando um
comportamento de insatisfação com o sistema sem fazerem nada para mudá-lo. Não podemos
ser coniventes com o que não aceitamos, mas devemos buscar sabedoria para fazermos nossa
parte diante do que acreditamos.

Sabemos que a vida é precária, assim esse vírus contamina qualquer um, no entanto, a
desigualdade social e a econômica permite que ele discrimine as pessoas. Li nesses dias uma
pergunta da filósofa americana Judith Butler que dizia: “Por que nós, como povo, ainda opomos
à ideia de tratar todas as vidas como se estivessem o mesmo valor?” Fiquei a pensar naqueles
que estão ao meu redor e nas atitudes de alguns políticos pelo mundo. Por que é tão difícil se
colocar no lugar do outro? Por que é mais fácil criticar do que fazer
alguma coisa a respeito?
Devemos tirar uma lição de tudo que vivemos. Necessitamos viver sob a
perspectiva positiva de tudo que acontece conosco, mesmo o mundo nos
forçando ao contrário. O pessimismo nos torna pessoas derrotadas,
fracas emocionalmente, psicologicamente, doentes. Por isso, precisamos
nos renovar nesses dias!
Assim, quando tudo passar, sentiremos satisfação por, além de estar vivo, ter evoluído como
Seres Humanos e conseguiremos prosseguir apesar dos problemas mundiais que assolam o
planeta.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Confira